12 de jan de 2010

Roteiro de uma nostalgia


    Ouvir trilhas que marcaram uma época da minha vida faz com que instantaneamente um filme passe a rodar na minha cabeça: Um filme mudo, preto e branco e sem final, assim como a história que deu origem ao nosso documentário.
    A película de uma época onde os holofotes apontavam pra uma só pessoa...
    Hoje, a protagonista continua sendo eu e os coadjunvantes continuam sendo andarilhos perdidos em terras alheias (ou a perdida em terras alheias é a protagonista?), e, vendo o script que pedia uma performance verdadeira, fica nítida a bela atuação nos momentos em que sinceridade era o esperado para a cena principal.
    No início o prejuízo foi grande para todos os participantes, mas no fim todos saíram com saldo positivo de alguma forma... Uma produção que ficou em cartaz por um tempo e que por razões técnicas foi tirada do ar, mas que sempre será lembrada por quem teve a coragem de assumir os riscos e se entregar à essa produção independente!


♫♪ "Agora o tempo já passou, a tempestade enfim acabou, a rua já secou, fez sol lá fora... Aquela insônia já curei, do mau humor já melhorei e até me acostumei com a sua falta... É e vai ser sempre assim: Se for amor, esse amor dói demais se chega ao fim! Não tem remédio mesmo, eu quis você pra ficar, eu quis sumir, te esquecer, quis morrer, quis te ligar... EU NÃO QUERIA mas já levo a vida sem você! Hoje foi bom te encontrar, o tempo passou, como está? Difícil foi... Mas tudo bem, eu também tô sem ninguém! E só me restou o ciúme, não sei se por medo ou costume... Seja feliz! Fica com Deus! Se der saudade não me liga... Adeus!" ♫♪

Um comentário:

Anônimo disse...

Sabia que ia ficar ótimo...