9 de set de 2012


Seus brincos são enormes
Os meus mal conseguem ver
Você adora falar muito
Eu sempre sou sucinta e me calo logo
Você fumava
Eu acordava às seis horas da manhã para caminhar
Você gostava de clipes
Eu de rádio
Você faz amizade com estranhos
Eu os odeio só por não conhecê-los
Você tem um neném
Eu quero voltar pro útero
Você põe tudo pra fora
Eu guardo tudo aqui dentro
Você faz um strogonoff maravilhoso
Eu sei fazer bolo de chocolate
Você sempre está namorando
Eu sempre fugi desse título
Você se expressa falando
Pra isso, eu escrevo!
Você é sincera
Eu sou generosa
Você era popular na escola
Eu era a nerd que levava lanche de casa
Você se apaixona e depois não gosta
Eu não gosto e depois me apaixono
Você vira amiga
Eu faço grosserias
Nas suas horas vagas você ficava com alguém
Eu cantava no coral da igreja
Seus amigos são homens
Os meus são todos gays
Você é amiga dos seus ex-namorados
Eu abomino o meu!
Você fica linda com qualquer roupa
Eu uso roupa de criança
Você tem duas dezenas de pessoas que pode chamar de amigo
Eu não posso contar nem com metade disso
Você gostava de Katy Pery
Eu era tiete das Rouge
Seu cabelo é liso nas pontas e enrolado na raíz
O meu é o contrário
Você é espontânea
Eu sou metódica
Você é racional
Eu sou passional
Você é diplomata
Eu sou anarquista
Você é autoritária
Eu sou violenta...

Distantes
Estranhas
Incompatíveis
Absurdas
Contraditórias

Se alguém me dissesse que isso existe eu não acreditaria!
Me ajuda a entender como tanta diferença torna tudo mais igual?

15 de ago de 2012

Saudade da vergonha das primeiras ligações.
Saudade de quando você me ligava pra dizer como estava o trânsito.
De quando você me ligava só pra darmos longas risadas...
E de me enrolar toda nos fones do celular, dentro de um ônibus lotado, só pra não perder a sua ligação...

Saudade de dizer “...tudo vai ficar bem...”
Saudade de você me ensinando, via web cam, a dedilhar no violão...
Ou de escolher o caminho errado e ficar presos no engarrafamento por horas.

Saudade de fazer duetos...
E ser chamada de “menina mulher, da pele preta, olhos azuis, e sorriso branco...”.

Saudade de mentir pra você, com você e por você...
E nunca me compartilhar.
Todos os silêncios necessários fazem falta...
Saudade de entender a piada antes de você contar...
De procurar desenhos nas nuvens, da varanda da sua casa!
De entender as suas aflições e por isso tentar te proteger...
Saudade de estar num dia ruim e receber sua visita feliz...
Saudade de sentir falta dos meus pais e ser acolhida pela sua família...

Saudade de ser lembrada numa introdução:

“O que há dentro do meu coração, eu tenho guardado pra te dar...”

E receber um telefonema me avisando disso.
Que droga sonhar com você e não poder te contar como foi...
Saudade de ir ao bar e pedir dois sucos.

Saudade de limpar a mão suja de manga na sua calça...
Saudade de falar mal das pessoas e ter um parceiro pra isso...
Saudade de rir ao mesmo tempo e da mesma coisa em lugares diferentes.

Saudade das brincadeiras que me lembravam a infância que perdi tão rápido...
Saudade de nunca ter te exigido nada em troca...

20 de fev de 2012

Eu sonhei com você hoje, e passei o dia com pensamentos cheios de lembranças...
Eu só quero que você saiba que eu sinto sua falta, não só quando sonho com você, mas em vários momentos da minha vida.
Nós crescemos, nor formamos, rimos, choramos, caímos, nos levantamos, sempre de mãos dadas. E, como eu te disse um dia, "uma das partes mais belas da minha vida, é você, e assim o seja para sempre."
Tá, eu sei que tudo muda, tudo se transforma... Mas você eu quero pra sempre do meu lado.
Eu não cresci sem o teu apoio, e você não envelhecerá sem o meu carinho.
Amo você

Meu 'pequeno' diário

É nesse 'pequeno' diário que eu conto minha vida.
Chamo-o pequeno, mas é imenso, tamanha a ternura com que escrevo nessas linhas.
Aí estão listadas todas as minhas alegrias e conquistas.
Já molhei as páginas do meu 'pequeno' diário com minhas lágrimas. Ele já me viu esbravejar, e já conteve a minha raiva... Já me fez rir até doer a barriga... Já fez meu coração parar de doer...
Sei também que, quando as pontas estão muito afiadas, machuco meu diário ao escrever...
Esse diário compartilha comigo muitas músicas, frases, histórias, imagens... É um tanto interativo esse meu 'pequeno' diário!
Confesso que as vezes deixo de escrever todos os dias nele... Mas quando escrevo sei que o faço pela necessidade, pelo amor... Pela reciprocidade.
Não empresto. Não deixo sujar. Cuido, preservo, amo.
Esse diário é meu companheiro pra vida toda!
Esse diário se chama 'amiga', mas pode ser chamado de "Jady" como costumam sempre chamá-la...


Junho/2010
A primeira carta que eu li foi a SUA, a primeira foto que eu vi foi a NOSSA.
Não tem jeito. Eu tô em você, você tá em mim.
Passarão os anos, mas isso não mudará. Meus sentimentos por você, mesmo com todas as transformações, não cessarão, embora sejam vividos de forma diferente em razão da vida corrida.
Não gosto, não queria que fosse desse jeito, é involuntário, não escolhi que fosse assim, mas nós temos de crescer para todos os lados, pro amor, pra família, pra profissão. O que me conforta é o fato de que, embora eu seja obrigada a crescer, existe um núcleo em mim que nunca muda e você faz parte dele. É forte, “corrente de titânio”, não quebra, não desmancha. Só vai embora se eu explodir!

Julho/2011

2 de jan de 2012

Roubaste meu tédio e meu pranto
Fez por um momento um sorriso brilhar
como todo mundo, se mostrou confuso,
então vê se me segura pra eu não escapar...
O coração já partido, um medo danado
Faz num redemoinho a cabeça girar...
Te mostro a defesa de que com certeza
Vai valer a pena se apaixonar...!