19 de fev de 2011

O mérito e o prêmio

    Venho por meio desta lhe informar do prêmio. Será entregue em sua residência. Em plástico bolha, fita crepe, caixa de papelão, papel dourado espelhado.
    Pode colocar na sua mesa. Um notebook e um coração ensanguentado. Caso fique pesado para a sua decoração, me deixe no seu carro. Vão te perguntar de onde vem aquele coração e você vai ter mais uma história pra contar baixinho, no ouvido das garotas: ‘Essa é boa, quer ouvir?’
    Não serviu a saudade que eu sentia. Você não estava longe, estava logo ali, mas eu sentia saudade. Você queria uma prova, você queria a cabeça pra levar pro rei do seu peito. Você queria decapitar a mente de quem poderia te magoar.
    Eu jurei, um dia, vendo você dormir e querendo tanto você, que não teria medo, seria doce, não dramatizaria e não escreveria uma linha sobre você. Você seria o escolhido pra não ser mais um.
    Mas você levou meu coração, então só me resta a maldade, a bondade contrariada, que sempre me faz recorrer ao lugar comum de escrever um texto. O lugar onde tanta gente já esteve, onde tantos viraram ‘mais um’. O amor não é um jogo mas você ganhou.
   Talvez você me mande de volta o prêmio, a caixa rasgada, o papel dourado amassado, o laço frouxo, o coração assustado...Ou talvez você vai se perguntar o que fará exatamente com isso, se não era melhor ter me deixado com o coração, assim eu poderia continuar gostando de você, sentindo saudade, alimentando seu ego. Mas eu gostar de você só será um mérito se eu puder ir junto.


Tati Bernardi

13 de fev de 2011

Hoje vejo o tempo que perdi, dando meu melhor para os outros e deixando o pior para mim. Chega! Já não vou mais ser assim.
:)

12 de fev de 2011

"Não! Não limpe o vidro do carro com a palma das mãos, porque você não vai querer me ver  indo embora...
Não grite meu nome com a voz embargada, porque eu não vou olhar pra trás.
E não me peça para agir diferente... Porque eu nem sei por onde começar..."

 05/02/2011