18 de dez de 2009

Um dia se encontraram sem querer...

      Naquele dia em que você me puxou pela mão, mal você sabia que enquanto simplesmente me puxava, estava implícita uma tentativa de me tirar do meu mundo cinza e me levar para o seu cheio de matizes diferentes. Mal eu sabia que enquanto eu simplesmente puxava minha mão de volta e te pedia pra esperar, o que estava implícito era a recusa de uma nova vida
      A gente nunca vai saber o que poderia ter vivido caso fizéssemos uma escolha diferente. Mas como seria bom reviver tudo de novo, mesmo que tenha sido há pouco mais de um mês,  e então eu rodaria no carrossel e entraria no seu mundo que, ao contrário do meu, não para de girar nunca.
     Naquela noite de som nostálgico regada de luzes psicodélicas, surgia uma nova oportunidade e morria ali a esperança. O problema é que eu só me dei conta dessa morte depois. O problema é que eu não sei se teria sido diferente se eu tivesse ficado um pouco mais. O problema é que a cada lugar onde há a possibilidade de você estar, é ali onde te vejo sempre. O problema é que enquanto seu status continua sempre ausente, a sua presença se torna cada vez mais constante na minha vida, em cada frase que parece ser sem sentido. Sem sentido porque todos meus recursos humanos estão concentrados em não pirar. O problema é ficar completamente no escuro. Você ficou incomunicável e esqueceu de deixar um manual de instruções sobre como viver sozinha depois de te conhecer.

Um comentário:

Anônimo disse...

LINDO Mariaa.. De verdade..
Acho que uns dos mais tocantes que já li..
Sou sua fã ..hauhauahua'

TE AMO (sz'

by: Brunão (: